quinta-feira, dezembro 01, 2011

nos intervalos do tempo...

foto: Cristina Fidalgo

às vezes penso que existo nos intervalos do tempo
lá no lugar em que o lamento persiste

sou talvez já só o grito que sufoco
no pouco de mim que por vezes encontro

ou até o fio de vento
que me gela o peito
quando quero tanto fugir daqui

é então que olho para estas mãos
tão cheias do longe e da distância
e sinto as tuas ainda nelas
e o teu sabor a permanência

é assim que sei lembrar o caminhar dos teus lábios
no que de mim se transforma em lava
vermelho intenso dos meus sonhos e do meu ser

e é assim que eu sei, meu amor
encontrar o teu sorrir
no mais pequeno dos entardeceres...


Cris ( Dos meus lábios nasce a noite)

3 comentários:

J.F.S. disse...

Nos intervalos do tempo, sentimentos que fazem parte do teu tempo que muito gosto e na verdade sem parar no mesmo tempo

Para ti com carinho, um beijo de Dezembro com o calor de verão no coração

Nilson Barcelli disse...

Belíssimo poema. Gostei imenso.
Querida amiga Cris, desejo que tenhas um Feliz Natal e um Novo Ano cheio de coisas boas, para ti e para a tua família.
Muitas prendas, principalmente afectivas.
Beijo.

Amaral disse...

Como sabes, tenho "retirado" do teu excelente bornal alguns extraordinários poemas para ilustrar o meu sítio humilde...
O gosto de ler-te não acabou por deixares de publicar aqui neste espaço.
Continuo a adorar o teu jeito de fazer poesia.
É isso!!!
Um ano feliz para ti!