terça-feira, março 01, 2005

Tão dentro de mim...

Acordo no meio da noite, no momento em que o silêncio me agarra pelos ombros e me cobre de afectos que já não sei partilhar. Pede-me que esqueça os limites do que sou e me desloque no nascer do acaso, ao longo das fragâncias doces do instante, e me desgarre do avesso de mim própria, envolvendo-me nos meus próprios desejos. No primeiro instante não entendo este pedido. Confundo o silêncio com a escuridão e agarro-me com todas as minhas forças aos restos do cetim dos lençóis, procurando-lhes a maciez e a frescura. As vestes do meu leito oferecem-me segurança ao tempo que o silêncio me abraça e me conduz em busca do que desconheço. Permaneço, por instantes, quieta, o olhar fixo no nada, no negro, mas ao compasso do habituar das minhas íris à ausência de luz começo a descobrir os contornos. Não os do meu quarto... antes os de um mundo a que não sei por onde cheguei, nem quando. Nem tão pouco sei se estou. Sei apenas que estou plena de mim. Aos poucos, perco o domínio dos meus braços, que se erguem devagar, ao ritmo do perder do medo. Agrada-me a espera do acreditar em mim própria, ainda que transborde de consciência do quanto me poderei sentir só. Sinto nos lábios o aflorar de um sorriso e deixo que me invada o querer. Nada pode agora levar-me para fora de mim... absolutamente nada!
Cris ( Dos meus lábios nasce a noite)

14 comentários:

Reporter disse...

Segurança, certeza, saber o que quer e como quer, para onde vai.
Vc é forte, ahn?
Um beijinho.

AS disse...

A noite... onde em silêncio se buscam horizontes, onde em as sensações tantas vezes nos libertam, onde se encontram os caminhos para iniciar o dia que começa, onde...onde...

Um beijo

Alexandre Sousa disse...

Dizer o quê? Gritar em silêncio? Agarrar a noite, abraçar o dia? Chega de interrogações. No mesmo instante, ou no antes ou no depois, a resposta foi dada, porque foi construida

Mitsou disse...

"Agrada-me a espera do acreditar em mim própria, ainda que transborde de consciência do quanto me poderei sentir só." É isso mesmo, Cris. Obrigada, linda, por dares voz a tantos gritos calados. Beijinhos muitos.

lualil disse...

A noite... esta que nos oculta e ao mesmo tempo nos revela tanto... belíssimo texto!!! Mesmo mesmo muito lindo!! como todo o resto!
Permites-me pôr o teu link?
beijos e parabéns!!

Cris disse...

Tento ser, reporter, mas às vezes n é fácil!...
beijinho

Cris disse...

Gosto do silêncio da noite... é ele q me dita quase tudo o q escrevo!
beijinho,frog

Cris disse...

Sabes ler-me por dentro e por fora,Alexandre...
E como eu gosto de te ter por aqui.

Um beijo

Cris disse...

Mitsou destacaste uma das frases que mais gostei de escrever neste texto... Sabe-me bem a forma como me lês!
Beijinho grande.

Cris disse...

Obrigada,lualil pela visita e pelas palavras tão boas de "ouvir". Sê benvinda!

Claro q podes colocar o meu link. Eu aqui n sei colocar links, pelo q o faço no meu blog da sapo, o "Sementes..." colocarei tb lá o teu!...

Um beijinho

Mar Revolto disse...

E qual será a cor de um grito?
Deixo-te um sorriso e um olhar envolto num beijo amigo.

Carlos Barros disse...

Nasce um sorriso, desperta-me uma vontade, sente-se um leve beijo por entre mãos que nos trazem odores de ternuras, de momentos desejos e quereres, vejo-me, revejo-me estou, sento-me aqui ao teu lado e percebo que as palavras, são como as cerejas.
um beijo(e)terno
Apeteceu-me

Cris disse...

Mar Revolto acho q um grito pode ter mil cores... suaves ou mesmo "gritantes"...

Um sorriso para ti

Cris disse...

Carlos,
As palavras são mesmo como as cerejas e as tuas foram mt doces! Obrigada! Senta sempre q te apeteça e q te sintas bem por aqui!
Benvindo.

Beijinho